domingo, 30 de março de 2014

golpe militar passados cinquenta anos

 Com dez anos via minha mãe agoniada com o exercito fazendo guarda no prédio onde morávamos em cima de um centro telefônico, as comunicações estavam sendo monitoradas e minha mãe nervosa deixou queimar uma tábua de passar roupa, só com o ouvido ligado na rádio que informava o golpe militar, ou como se dizia cuidado dos militares para manter a liberdade do povo brasileiro contra os comunistas.
 Os anos se passaram muitos se foram muito se sofreu para reconquistar a liberdade usurpada pela direita brasileira e americana. As marcas e consequências são enormes.
 Cinquenta anos são passados e jovens se deixam manobrar pelas mesmas forças políticas e acham que estão fazendo o grande movimento libertário do povo.
 Minha mãe não passa mais roupa, mas continuam vivos em sua memoria os dias difíceis de um Brasil sem liberdade sem justiça social sem dignidade.


domingo, 16 de março de 2014

parte do inteiro



Não quero falar disso ou daquilo só queria mostrar parte do meu inteiro.

Objeto ou coisa

Cada coisa uma coisa e um desejo, alguns satisfeitos.

Cada objeto uma coisa e um desejo, alguns satisfeitos.

Meu canto.

No céu a lua cheia. No ar um cheiro de dama da noite, são 20 a desabrochar nesta noite, o boldo é do Chile e infesta o quintal.
 Folhas novas brotam da grumixama, orquídeas lutam para sobreviver enquanto as pragas e as trepadeiras vão ocupando todos os cantos. DAS MANGAS NEM O CHEIRO.  Um homem me cuida. A dúvida agora, o estampido da rolha ou estalo da tampinha.
Quem sabe o explodo do uísque quente na pedra de gelo. Não é só uma escolha.
Escrevo e leio, nem paro de olhar o florescer das flores, agora mais abertas. Escrevo do meu mundo redondo nas linhas certas, mesmo que tortas.
Por fim vence o chá de abacaxi gelado e o cigarro de palha.  
A leitura, Leonardo Boff “O cuidado Necessário”... O cuidar do envelhecer.
O movimento é o da brisa entre os sinos a badalar... O gosto é do prazer.