quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Meus Irmãos, minhas irmãs na raça, amigos e amigas a na vida.

Negras e Negros de raça e de cor
Agradeço,

Rendo honras e obrigações a vocês.

Pela sua coragem, pela garra, pelo gingado pela resistência e pela malemolência.

Pelo samba pela ginga, pela sedução.

Pela palavra e educação, pelo respeito, responsabilidade e habilidades, pela pele morena e lábios carnudos e bundas gostosas.

Morenos e Morenas...

Obrigada, raça pedaço de mim.

Perdão se esqueço de pedaço de ti, se não completo suas qualidades e vocação,

E, acima de tudo agradeço pelo sorriso gostoso e aberto que trazes na boca diante da luta e do amor, na resistência morena e feliz.


Recordações


 

Cara hoje foi à confirmação do maior amor que eu já vi, aliada a astucia e malicia dos velhinhos. Tudo combinado à mãe e o pai vão para Matão ver as tias e a Salete que tá doida, pra viajar fica bem feliz. Já que o Augusto tem compromisso na sexta feira por lá, Ana Lúcia comprou a passagem para o congresso, Edu e Ana Maria trabalhando fora de São Paulo e eu indo para compromissos em São José.
 Acorda. Todo mundo com as  malas arrumadas. Cadê que o papai que quer sair para viajar. Não vou, não vou estou com resfriado. oh oh nariz entupido, vou dormir, conversa vai conversa vem , Márcia fica com papai e todos viajam...se seu pai não for não vou, a velhinha garra no sofrimento desmarca tudo avisa Ana Cleide  e reza pra nossa senhora Aparecida nossa mãe e guerreira pra ajudar na vida. Não é que passa uma horinha levanta seu Augusto saradinho pronto para sair na rua. Você esta bom????Tô ótimo não tenho nada nadinha, Então Lurdinha rapidinha, então dá pra ir pra Matão o velhinho deu um engasgo e: lógico que dá!!!! E ficou tudo feliz. Viagem em pé, ou melhor na estrada... 19 horas  cada um no destino      

 

Não vivi muito, mas trabalhei.

Trabalhei muito e não vivi

Mas eu amei, eu amei tanto. Que até vivi.

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Ralph Meu cachorro Encantado, o mais carinhoso que eu já vi.


Nesta noite eu não conseguia dormir, só pensando no Ralph, meu querido cachorro.  A história desse cachorro é tão intensa e bonita. Nosso cachorro encantado!

Ralph, cachorro de linhagem e pedigree foi abandonado por uma família em uma casa em São Paulo, e lá ficava preso em uma corrente o dia e a noite e só recebendo comida. E assim foi acolhido pelo Eduardo meu irmão, que me deu para cuidar.

Quando chegou a minha casa o Brando – Marlon Brando meu cachorro já velhinho ganhou vida nova, e sobreviveu mais um ano. Foi companheiro desde o primeiro momento. Juntos animaram minha casa e minha vida.

 O Ralph era encantado, todos que perto dele chegavam se apaixonavam. Foi assim com meus amigos e minha família. A Sylvia dizia que se ele não fosse um cachorro seria seu genro, pois sua filha era apaixonada por ele. Carina todo tempo se preocupava com ele, apesar de que ela não conto é apaixonada por todos os cachorros que vê, pelo Ralph foi moleza.

E assim foi meu companheiro atencioso, invadia meu silêncio e participava das minhas alegrias e devaneios. O mais carinho que o Eduardo já conheceu palavras dele.

E sempre recebeu cuidados da Taís e Augusto que me substituíram quando comecei a trabalhar em São Paulo

Por um tempo teve um companheiro todas as noites o Diego que levava a passear e o alimentava. Tem também dona Matilde que sempre limpava o quintal e toda sexta feira estava lá para com suas netinhas passar algumas horas com ele.

E assim ele foi fazendo amigos e cuidadores. Minhas crianças Maria Fernanda, Lucas e Ana Luiza aprenderam a gostar de cachorro com ele, só com a vinda dos meus netos é que percebi um tantinho de ciúme dele por mim. Ele tinha esse direito meus momentos com ele nestes últimos anos foram menores pelo tanto que tenho viajado para trabalhar.

Quando descobrimos que ele tinha um tumor na língua, ficou internado na clinica veterinária e lá o Dr Afonso, também um apaixonado por animais tratou do Ralph com todo cuidado e carinho e foi ele que nos últimos momentos desse cachorro encantado este presente tornando sua morte menos dolorida aquecendo - o nos momentos finais.

Hoje dia 04 de outubro dia de São Francisco o Ralph foi embora para sempre... ou não.

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

terça-feira, 10 de julho de 2012

Poucas lembranças


                                                                        Naquele dia começou.
                                                                       Poucas lembranças do intenso momento.

Muitas sensações estranhas e bizarras. Em poucas palavras muitos erros foram cometidos, muitos sentimentos foram aflorados. Sentimentos novos, sentimentos mudos, que passaram anos sem serem falados.
                                                                       Momentos únicos sentidos.
A cada dia era o novo. A cada noite o inesperado aguardado, intensamente desejado. Um instante que se eternizou e confundiu toda uma vida resolvida, equacionada, tornando o desejo o melhor momento a ser vivido.
                                                                       Naquele dia acabou.
Muitas lembranças de momentos intensos, momentos sentidos, momentos vividos. Momento que agora é passado, mas que deixaram marcas maiores que o instante.

domingo, 17 de junho de 2012

Uma simples troca de chuveiro, mudou minha vida

Consegui comprar o chuveiro para arrumar minha vida, meu tempo e a temperatura, agora o mais difícil de tudo. Meses se passaram desde que eu sabia que precisava arrumar o chuveiro. Sabia que a solução encontrada invadirá meus espaços, sabia que queria mudar. Mas as coisas certas demoram a se instalar. Em compensação o improviso? Há o improviso, tem uns que ficam para sempre. E antes que o nunca se acabe, aconteça, fui comprar. O Chuveiro.
Encontrar a pessoa certa para fazer a instalação, foi um dos argumentos para que eu demorasse a comprar o chuveiro, agora ele esta aqui...
Por isso, parece que o mais difícil está por vir!
Assim como nas nossas relações, o difícil e fazer as instalações, cada um tem uma resistência e resistências diferentes nem sempre são compatíveis. As temperaturas próprias de cada relacionamento o tudo dos relacionamentos e cada um há seu tempo.
De qualquer maneira preciso instalar meu chuveiro e para isso estou esperando chegar um encanador conhecido do rapaz de bicicleta que é amigo da vizinha que é mãe do amigo do, bem um total desconhecido, vamos esperar.
Enquanto isso vou adaptar minha tarde de domingo, aguardando a pessoa certa chegar. Realmente espero não perder meu domingo ou talvez eu até ganhe, afinal a tarde está tão bonita, propicia para cuidar de mim e da minha casa.
Enquanto escrevia, parte da arrumação do meu tempo -  bateram palmas no portão.
Ufa.
Não foi tempo perdido!!! parece que teremos banho quente e o fim do vazamento!
Com o apoio da minha filha, um pedreiro encanador desconhecido e de quebra ganhei sorrisos de vizinho queridos, sem contar que o moço da bicicleta parecia ser amigo de infância.
 Em fim algumas instalações são de uma vida inteira e nunca se acabam.

terça-feira, 5 de junho de 2012

Outra maneira de encarar a chuva.

Minha única opção nesta manhã era encarar a chuva e o transito de São Paulo.

No entanto meu pensamento foi desviado pelo meu olhar, foi desviado pelo número imenso de guardas chuvas e sombrinhas colorindo e dançando na manhã fria e chuvosa de São Paulo.


Desvio meu olhar do transito intenso e moroso, me pego olhando para uma sombrinha dourada com estampa de onça e ao invés de encontra uma moça se guardando da chuva dou de encontro com um homem muito magro, negro, com bigodes já grisalhos, terno preto e surrado, cara de investigador de bares noturnos antigos aonde iam à busca de moças para o prazer, olho em volta e acho que tenha saído do prédio antigo à frente, bem desenhado, olho para o segundo andar e vejo o neon verde e vermelho do sex shopping. Nova sombrinha me chama atenção, desta vez com as cores do arco-íris, uma dessas que se vende nas esquinas de grande transito na capital, ela protegia da chuva um rapaz sarado de camiseta cavada. Começo a imaginar a vida de cada passante e seus guarda-chuvas.


Os casais aproximando seus corpos quentes embaixo da mesma sombrinha; a mulher elegantemente vestida para enfrentar a chuva com a sombrinha da moda; o rapaz de terno e gravata com seu guarda-chuva preto. Sem guarda-chuva somente os operários da rua com suas capas amarelas, e as mãos ocupadas pelas grandes vassouras que varem as folhas, os papeis molhados, as pontas de cigarros a sujeira das ruas com a água da chuva.


Saiu desse devaneio, e volto o olhar para o transito, assustada pelo toque da buzina que vem despertar meu pensamento: as mulheres são mais precavidas que os homens, sempre têm uma sombrinha a mão, ou na bolsa dispostas a partilhar sua proteção.


A chuva aumenta e entre o cuidado com os carros e a curiosidade aguçada em ver a dança das sobrinhas me deparo com um pobre coitado cuja única proteção é uma sombrinha com quatro varetas quebradas expostas a chuva e o pano enrugado que deixa passar a chuva e vai molhando seu corpo preparando o para um dia de trabalho úmido e frio, e assim meu olhar se desvia para uma e outra e mais outra sombrinha e mais outra e mais outro...  A cada trajeto que eu cumpria a chuva aumentava e era amparada por tecidos xadrez, florais, listrados, lisos, e debaixo da chuva a dança continua.


Sigo e chego, e com a minha sombrinha amarela e dourada começo a fazer parte da dança na chuva e ser olhada de dentro dos carros curiosos.

quarta-feira, 30 de maio de 2012

Lamento 2

Lamento 2

No vazio da casa, ficaram os lamentos.

Nos cantos escuros pequenos olhares, sobraram de tudo que foi vivido.

Ele tinha saído sem dizer nada.

O nada doía como nunca pensei.

De cócoras chorei até as lágrimas secarem.

Seca, sem vida, eu fiquei. No canto escuro cheio de lamentos, onde os olhares passaram, e ele foi embora sem dizer nada.

sexta-feira, 9 de março de 2012

perdi meu escritor


AQUI, UM DIA, ELE TEVE CORES UM DIA, ELE TEVE NOMES... Paulo Francisco.
Volta , senti um aperto no peito por perde meu escritor. Perder  a possibilidade de ler você outra vez, vai sem  nenhuma informação,  como procurar seus poemas, contos e prosas.

Volta

nova fumaça

 sua música
pergunto quem é você
um  novo compositor de um novo amor
ou o velho compositor de um novo amor
o tempo
de uma mulher a mesma mulher a nova mulher
 nova fumaça
quem escreve aqui eu ou a fumaça, bom que depois eu posso apagar quem eu

No dia seguinte, revendo em condições normais de temperatura e pressão, ficou assim:

Sua música.
Pergunta quem é você?
Um novo compositor, de um novo amor?
Ou o velho compositor, de um novo amor?
O tempo passa nos envelhecemos, mas nossa essência continua, ela é eterna,
Faz ser quem eu sou, faz ser quem você é.

Eu uma mulher a mesma mulher a nova e velha mulher.
Você um homem o mesmo homem o novo e velho homem... O mesmo compositor



quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Não sei dividir meus espaços

Dividir minha vida, não. Partilhar
Dividir meus espaços conquistados. Não.
Permitir que usassem.
Por quê? Como me irrita apesar de eu não querer ficar irritada, quando minhas coisas, coisas que têm significado para mim são violadas e quebradas, usadas. Muitas vezes sem que eu saiba.
Os limites eu não impus só supus que todos entenderiam. Assim como todos que eu convivo e me conhecem entendem.
Um simples gesto de pedir, de cuidar de não violar os códigos da convivência.
Lealdade.
Minha casa tem meus segredos e quando pessoas que eu não conheço entram na minha vida através da minha casa sem respeitar meus pedaços. Eu fico ferida e sofro.
Não sei se entende?
O que eu quero é que respeite.

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Se essa rua fosse minha...


Depois que eu vir minhas netas e netos correr no jardim e na rua sob a sombra das mangueiras, terá passado meu tempo.  Então, você poderá ser o novo dono da rua.

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

que é você


Eu preciso estar triste para escrever para você.

Eu preciso chorar para me sentir em você.

Eu preciso ficar só para pensar em você.

Afinal que é você?

Que merece minha tristeza, minha solidão, minhas lagrimas, meus sentimentos. Quem é você?

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

saudade

http://youtu.be/js-neDhzFyc

Veja bem, meu bem
Sinto te informar
Que arranjei alguém
Prá me confortar
Este alguém está
Quando você sai
Eu só posso crer
Pois sem ter você
Nestes braços tais...

Veja bem, amor
Onde está você?
Somos no papel
Mas não no viver
Viajar sem mim
Me deixar assim
Tive que arranjar
Alguém prá passar
Os dias ruins...

Enquanto isso
Navegando eu vou sem paz
Sem ter um porto
Quase morto, sem um cais
E eu nunca vou
Te esquecer, amor
Mas a solidão
Deixa o coração
Neste leva-e-trás...

Veja bem além
Destes fatos vis
Saiba: traições
São bem mais sutis
Se eu te troquei
Não foi por maldade
Amor, veja bem
Arranjei alguém
Chamado saudade
Amor, veja bem
Arranjei alguém
Chamado saudade...