quarta-feira, 27 de maio de 2015

liberdade

Não sei se vocês já viram passarinho fugir da gaiola¿ Os que conseguem não voltam mais, ficam esperto, e nunca mais se deixam pegar. Voam livres pelo  mundo.

terça-feira, 19 de maio de 2015

Percepção

Eu não tinha percebido.
Faço parte da tua história.
Permitir-me sentir este momento onde tu diferente das outras vezes estas saindo deixando tua presença em mim.
Das outras vezes simplesmente ias... eu só ia me percebendo com o tempo  a passar que tu tinhas ido.  Já havia acostumado.
E de repente voltava como se não tivesse partido. 
E eu gostava e era como se tu não houveste partido.
Agora que partes para não saber voltar. 
De repente deu melancolia e eu tenho direito, não precisava falar, mas como um poeta ia expressar o amor que eu tive posto que é chama...

domingo, 3 de maio de 2015

Solitude segunda

Braço abraço,
é só o que preciso  hora em hora.
Um colo,
Um aperto de mão.
Um olhar
Um aconchego.
Um não se sentir só na próxima empreitada.
Uma conversa e um café.
Um chute um empurrão, piso no pé, uma dada de ombro,
Ignorar, ser percebida. Ter com quem chorar e morrer de rir.
Torcer junto para o meu time ou seu time. Vez por outro um enfrentamento no campo.
Abrir um vinho uma cerveja e brigar pelo horário de banho.
Preparar a comida com prazer e dar prazer, ser amada e ignorada.
 Estar ali ou aqui.
Estar só e nem se sentir só.
E matar o maior desejo da boca.
.

domingo, 19 de abril de 2015

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

cachos no cabelo

MEUS CABELOS JÁ NÃO TEM MAIS CACHO e perdem a cor, e eu queria dormir com seu gosto na minha boca.
Cada mordida um gosto macio e doce.
Mas não dá.
Minha herança genética, minha memoria, carregam:- menina vá escovar os dentes, doce de figo tem açúcar, estraga os dentes.

Nenhum clic

    Resolvi olhar São José dos Campos com olhos de quem esta de férias, com olhos de quem procura a beleza em dias de lazer.
    Meus amigos e amigas estão ou estiveram viajando e dividem seus olhares encantados através de belas fotos. Ei ainda trabalhando esperando julho chegar.
    Olhei o banhando - admirada.
    A ave sobrevoando o céu carregado de gordas nuvens buscando refúgio - admirei.
    As mangueiras carregadas de frutos maduros e cheirosos - me encantam sempre, apesar da sujeira e das abelhas em alvoroço.
    E fui olhando e olhando...quase me senti em férias. As fotos...nem pensar em tirar dirigindo...

Cenário

As nuvens se movem aos cutucões do sol, que se alvoroçava para ver o movimento da manhã que espreguiça com dengo para levantar.
E assim mesmo nesse tempo impessoal que é a humanidade.
Aquece, transpira, cria e procria. Queima e arde.
Assim,
De repente,
Entre o bom e o bem.
Meu bem  acorda comigo com a mesma preguiça e dengo do sol.
Numa relação tão pessoal que é a humanidade.
Que aquece, transpira que cria e procria. Que queima e que arde.
Sol que também se esconde para novamente as nuvens tomarem a cena, despedir de o sol receber a lua e mudar o cenário, já que chuvas não estão na ordem da noite.