quinta-feira, 28 de abril de 2011

Relacionamentos

Quando iniciamos um relacionamento, pensamos que é para sempre.
Os dias passam, as coisas vão acontecendo e percebemos que o para sempre, também acaba.
Acaba o amor, acaba a paciência, acaba o encanto, acaba o desejo.
Sobra você, inteira, para o próximo amor intenso, um relacionamento que será para sempre.

terça-feira, 26 de abril de 2011

Uma sugestão de "chá da tarde" para as próximas tardes frias que se avizinham.

O gosto do meu “Chá da tarde”.

Duas Tâmaras macias recheadas com um queijo Polenguinho
Uma fatia de Bolo de chocolate com calda de chocolate açucarada
Um cálice de “vinho de uvas colheita tardia”
Quatro Torradas de pão de forma 12 cereais acompanhadas por uma variação pasta de queijo, creme de ricota passada no tempo (começa a amargar), manteiga, requeijão, geléia de figo, de tâmara, ameixa, jabuticaba e mel
Uma caneca de chá preto levemente adocicado
Lascas de chocolate meio amargo, ao leite e branco

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Um ato de fé e coragem.

Nas avenidas os carros se alongam uns atrás do outro como se fosse um longo colar colorido, as pessoas fogem em busca da felicidade, do prazer, do lúdico, dos momentos de descanso.
Os ônibus estão lotados, os carros estão lotados, os aviões, navios, as ruas, calçadas. Todos correm para viver o feriado religioso.
Nos shopping aglomeração em busca dos presentes de páscoa, com força comercial que ultrapassa as honras á Tiradentes.
As famílias planejam seus jantares de confraternização e os almoços do jejum sagrado, regado de guloseimas. Essas mesmas pessoas que burlam as tradições, os dogmas e compromissos diante do batismo se deixam aprisionar por preconceitos e ditos religiosos muitos deles causadores de sua infelicidade. Centenas, milhares de anos conduzem a humanidade subjugada e dominada pelo poder religioso, onde os deuses se sacrificam por nos e nós nos submetemos aos controladores das igrejas, que usam do amor divino para explorar os mais fracos e ignorantes.
A ela, a religião recai toda a culpa. A ele, que ocupa o poder, as glórias da dominação.
Podemos conduzir nossas vidas com a mesma coragem que enfrentamos os congestionamentos, com a fé no divino aos que neles crêem, mas ignorando os donos das igrejas.

quinta-feira, 7 de abril de 2011

Violência

Mistério do divino, de deus, deusas eu não sei.
Sei que uns ganham mais tempo para viver.
Recomeçar, reconstruir, conviver, amar, provar que aprenderam a viver e se cuidar e cuidar dos outros melhor.
Sei que hoje meu coração chora de tristeza pela violência da vida.
O que me machuca não é a morte.
Acredito que nosso espírito esta em constante luta pela evolução e a morte é a oportunidade de recomeçar ou atingirmos a plenitude junto ao divino. Hoje uma notícia muito me alegra pelo crescimento espiritual que toda uma família atingiu até este momento, com a recuperação da filha e irmã querida de uma doença gravíssima. Também operação bem sucedida e vida do menino com transplante de coração artificial.
Daí a vocês não entenderem meu escrito eu explico: "hoje no Rio de Janeiro mais precisamente na escola municipal do bairro de Realengo um "homem" pelo que sei um "homem jovem" entrou e atirou em mais de 15 crianças". Violência pura e sem razão. Chorei de dor pela forma como está sendo vivida a vida. Por isso reafirmo o que mais me agride é a vida, a morte é possibilidade. Por tudo isso hoje eu não consigo festejar pelas pessoas que conseguiram sobrevida. Amanhã comerei o bolo e rezarei pela saúde e vida da Inês, da Maria, do João e de tantos outros. Hoje não.




domingo, 3 de abril de 2011

Divagação - Autoria Paulo Francisco (Cores e Nomes)

Eu quis copiar aqui para você poder ler também, e entender do estou falando. É desse amor que tantos sentem e não conseguem viver e que o Paulo falou tão bem...

Ah! se eu pudesse estender os meus braços
e, de um jeito mágico, eles chegassem até você.
Acariciar-te-ia todo o tempo suposto, meu amor!
A distância, somente ela, esta barreira invisível,
impede tal feito e, do meu jeito, vou te amando
por frases, por versos, por palavras codificadas.
Mato a vontade; revivo o meu dia e, quem sabe
numa manhã dessas, acordarei com você.
E nesta realidade improvável, quase absurda,
sentirei seus beijos, seus braços apertando
minha nuca e, eu, abrigado em teu colo-ninho,
tornar-me-ei menino sem medo de amar.


sábado, 2 de abril de 2011

SIMPLICIDADE

Em um fim de semana gostoso de Outubro, vivi simplesmente a vida que eu gostaria de ter todos os dias. Cuidar das minhas coisas simplesmente, sem a confusão do corre e corre da sobrevivência, que impede a gente de viver.
Sai com os amigos para jogar conversa fora.
Convivi com minhas filhas grávidas e minha netinha fofa e chorosa pela gripe, pude sentir seu cheirinho de bebe e fazer comidinha especial, deixei que ele bagunçasse minhas coisas, pediu meu colo, que delícia ser vovó.
Busquei cocada e paçoca na casa da Dona Matilde e deu tempo de ouvir suas palavras de sabedoria e simplicidade, e matar o desejo da minha gravidinha.
Dei atenção para aquela vizinha simpática que adora flores e vive a vida entre quatro quarteirões. Cuidei um pouquinho das minhas orquídeas e do meu jardim cheio de fungo.
Dei atenção para o Halp.
Ouvi música, qualquer uma que tocou no rádio, só como companhia.
Agora espero a chuva que anuncia cair, e vou assistir um filme sem compromisso, até chorar se a "mocinha" chorar.

Acho que depois vou fazer unha.

Terminarei minha noite tomando vinho e lendo o livro que esta minha cabeceira a seis meses.

sexta-feira, 1 de abril de 2011