quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Vôo 1287

Numa das inúmeras viagens de trabalho, quando me acomodo na poltrona de número 15B, apesar de não gostar do assento do meio, mas foi o que me sobrou neste dia, o comissário alerta: “senhores passageiros sentados nas poltronas próximas a saída de emergência que não se sentirem preparado para usá-las deverão solicitar mudança de lugar. Ao meu lado esquerdo minha colega de trabalho, ao meu lado direito um homem bonito de lindos dentes e sorriso simpático pergunta: Preparada para lidar com as portas em situação de emergência?


Sorridente ela responde, se for pelas horas de voo.

Continuou o silêncio, e as instruções de como lidar com as situações de emergência.

O voo segue e o cansaço me leva para um breve sono, acordo e vejo pela janela o tapete de nuvens espessas sob o avião flutuando no infinito, no horizonte o resto dos raios do sol deixam o céu avermelhado, de uma beleza serena, bebo água, leio um livro e me dou conta que não havia respondido á pergunta.

Preparada para lidar com a porta em uma situação de emergência?

O avião pousa no aeroporto de Congonhas e São Paulo a noite parece uma joia, tantas luzes, o brilho aumentado pela decoração natalina.

Olhando para meu companheiro de viagem respondo sua pergunta: “continuo não sabendo se estou preparada para lidar com a porta de emergência, afinal não foi preciso e se fosse não estaria aqui para te contar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário